Acesse nossas dicas anteriores
 

NÃO MATE SUAS PLANTAS DE FOME

É tempo de repor no solo os elementos essenciais ao bom desenvolvimento das suas plantas, através da adubação orgânica e mineral. Veja a diferença entre elas.

 

ADUBOS ORGÂNICOS - São formados por matéria de origem animal ou vegetal:  esterco curtido de curral e de aves, farinha de osso, húmus de minhoca, composto orgânico, etc. Têm ação relativamente lenta e, embora forneçam quantidades moderadas de quase todos os elementos, melhoram  em muito a estrutura física do solo. São usados no cultivo da grande maioria das plantas.


ADUBOS QUÍMICOS- Não  melhoram a estrutura  do solo, mas têm ação mais rápida  que a orgânica. Os fertilizantes líquidos ou granulados da linha NPK,  muito usados na jardinagem caseira,  contêm em suas formulações os principais nutrientes de que  as plantas necessitam: nitrogênio (N),  que promove o crescimento vigoroso das plantas e a formação de clorofila; fósforo (P), que melhora  o florescimento e a frutificação e é usado no plantio por ajudar no desenvolvimento das raízes; potássio (K), que fortalece os tecidos da planta e aumenta sua resistência. Os números que aparecem junto às letras indicam a porcentagem de cada elemento na fórmula. Para melhores resultados, a adubação mineral costuma ser associada à adubação orgânica.

Entre as inúmeras formulações à venda no mercado, estas são muito usadas:

NPK 4-14-8: é rica em fósforo (P).

NPK 10-10-10: tem porcentagem igual dos 3 elementos  e é usada na manutenção das plantas.

NPK 20-10-10: tem alta porcentagem de nitrogênio (N)  e é usada principalmente em gramados.

 

Siga-nos no